Opinião: Profissionais marketing com salários mais altos em Portugal (?!)

Recentemente saiu um artigo no Jornal de Notícias com o título Profissionais de vendas e marketing com salários mais altos em Portugal.

Obviamente que fui ler o artigo completo para perceber a origem do título. Bem sei que os jornais divulgam a informação que recebem e partilham as devidas fontes mas, considero importante complementar com outro ponto de vista algumas das questões expostas. Não é meu interesse fazer juízos de valor sobre o estudo mas, não podia deixar de tecer algumas considerações.

O documento refere que:

o salário de um director de marketing pode chegar aos 120 mil euros anuais, o director comercial aos 130 mil euros e o director de vendas aos 110 mil euros, adianta o estudo, lembrando que “existem incentivos acrescidos para profissionais que consigam dinamizar de forma agressiva o negócio das empresas”.

Numa primeira leitura os valores parecem “absurdamente” elevados porém, com uma leitura mais atenta verificamos que o texto diz “pode chegar” o que obviamente pode gerar alguma confusão. O “pode chegar” é muito relativo e basta haver um profissional de Marketing com esse salário para dizermos “pode chegar”, o que de forma alguma quer dizer que a maioria tenha vencimentos próximos disso (deveria estar no título algo como – Profissionais de vendas e marketing podem ter os salários mais altos em Portugal).

Lá porque o Eto´o é o jogador mais bem pago do mundo e recebe 20 milhões por ano, não quer dizer que se possa insinuar que todos os jogadores profissionais recebem isso, ou perto (a maioria está muito longe destes valores).

O que eu considero problemático neste artigo é a generalização utilizada e a forma como se expõe a questão quando há milhares de profissionais de Marketing no desemprego ou a desempenhar funções fora da sua área de especialização. Não digo que não seja uma área excelente para se trabalhar e com futuro porque não tenho dúvidas que é mas, temos que ir para além do salário.

É um perigo expor as coisas desta forma e utilizar títulos destes. O que a maioria dos leitores acabam por ler e interiorizar é:  Profissionais de vendas e marketing com salários mais altos em Portugal”, quando a maioria dos profissionais de Marketing está longe deste vencimento.

Por outro lado e não menos curioso, o estudo refere ainda que:

“O negócio das empresas está cada vez mais orientado para os resultados a curto e médio prazo. Essa preocupação estratégica é demonstrada pelas remunerações e benefícios atribuídos a cargos de topo nas áreas do marketing, comercial e vendas”

Gostava de conhecer o processo de investigação por de trás da afirmação mas, considero normal que na conjuntura actual muitas empresas estejam sufocadas e procurem obter resultados a curto – prazo todavia, não posso deixar de dizer que isso pode ser um “tiro no escuro”. Pelo conhecimento que tenho, de forma alguma isto é uma verdade absoluta. Se a maioria das empresas estiver com este pensamento estamos perante um cenário problemático.

Conheço muitas empresas em Portugal estão focadas no médio / longo prazo e isso podemos verifica-lo através dos investimentos que têm sido feitos em tecnologia de ponta e recursos especializados. Confesso que não sei se é a maioria ou não mais uma vez, é perigoso generalizar.

Numa altura em que o Marketing Relacional ganha terreno relativamente ao Marketing Transaccional, ter como único foco os resultados a curto prazo poderá fazer com que muitas empresas acabem por desaparecer.

Sem confiança dificilmente há transacção e sem transacção não há resultados. Não podemos, nem devemos, ignorar a necessidade de resultados imediatos todavia, “estar cada vez mais orientado para os resultados a curto e médio prazo” não me parece consensual com o que a maioria dos autores especialistas defendem.

No que respeita ao desempenho comercial, os profissionais devem estar cada vez mais focados em estreitar os laços emocionais que os unem ao cliente ou potencial cliente. Devem ser capazes de encontrar pontos comuns. Só desta forma vão conquistar confiança e avançar para a relação. Isto demora o seu tempo.

A única informação sobre o estudo – Estudos de Remuneração para 2011 – promovido pela consultora especializada em selecção e recrutamento - Michael Page Portugal é que ”o estudo da Michael Page analisou informação de 11 sectores de actividade com base na dimensão da empresa e no nível de responsabilidade do cargo.”

Teria sido interessante divulgar mais informação, nomeadamente a amostra e o tipo de empresas analisadas.

Se dessas 11 empresas 8 forem de características idênticas, a investigação apenas se centra num determinado perfil de empresa, não espelha a realidade do mundo empresarial nem de todos os profissionais (de Marketing, Finanças, Vendas..)

Basta uma simples questão como por exemplo, o tipo de produtos que vendem para tudo ser diferente. Por exemplo, a venda de produtos de alto envolvimento (casas, carros ou alta tecnologia) exige uma estratégia completamente diferente da venda de produtos de baixo envolvimento (pastilhas elásticas, garrafas de água ou cerveja) porém, estou convicto que independentemente do sector de actividade o foco cada vez mais orientado para o “curto – prazo” pode comprometer a empresa.

Em conclusão, considero o Marketing uma área em crescimento, evolução e com bastante potencial porém, não se pode esperar milagres. São poucos os profissionais de Marketing que conseguem estes vencimentos apenas com uma actividade laboral, seguramente uma minoria.

Existe a ideia preconcebida que o profissional de Marketing tem que ser um director ou um executivo com vencimentos elevados mas, embora seja possível lá chegar,  como em qualquer profissão, é preciso trabalhar, aprender e estar constantemente activo para chegar ao topo.

Tenho a percepção de que a maioria dos recém-licenciados em Marketing não está sequer a trabalhar num departamento de Marketing. Começam por outros empregos à procura de uma oportunidade ao longo do tempo.

Acho que estes estudos são relevantes para termos indicadores sobre o estado do mercado e da nossa profissão porém, considero essencial que sejam mais detalhados.

Pelo que tive oportunidade de ir lendo pela minha rede de contactos quando partilhei a notícia, a maioria reagiu em discordância com o estudo precisamente porque é preciso explicar algumas coisas que para quem está no mercado são evidentes.

Bons salários!